A era de ouro das séries de TV de super-heróis

series_tv_Batman1966

Antes dos sucessos estrondosos de Arrow, Flash e Demolidor, houve o que podemos chamar da era de ouro dos heróis na tv, com suas séries de tv inesquecíveis e que alimentavam a imaginação e os sonhos das crianças e dos fãs de quadrinhos. Cultuados até hoje, não tinham grandes efeitos especiais, o Hulk por exemplo era um fisiculturista maquiado e não algo feito em computação gráfica, como a versão moderna em Vingadores.

A primeira grande pérola desta era de ouro vestia azule vermelho, com um “S” no peito. Adventures of Superman foi transmitido pela Syndication em 19 de setembro de 1952, trazendo, ainda em preto e branco, George Reeves como o Superman. Phyllis Coates viveu Lois Lane na primeira temporada, sendo substituída por Noel Neill para as temporadas seguintes. A partir de 1955 a série passou a ser colorida e os fã puderam então ver o Superman com sua roupa azul e vermelha. A série teve 6 temporadas divididas em 104 episódios, e foi a última série sindicalizada da TV. Seu tema de abertura ficou conhecido como The Superman March e era patrocinado pelos cereais Kellogg’s. Adventures of Superman teria ainda mais duas temporadas, mas problemas como a morte de George Reeves, por exemplo, acabaram engavetando o projeto.

Mulher Maravilha

A Mulher Maravilha também teve sua série de tv, com 3 temporadas e 59 episódios. No dia 7 de novembro de 1975, a ABC levava ao ar Lynda Carter no papel principal da princesa amazona. A série mudou de mãos na segunda temporada, ficando com a CBS, que rebatizou de As Novas Aventuras da Mulher Maravilha. Todos os elementos clássicos da heroína estavam ali, a tiara, o laço mágico, os braceletes desviando balas e até mesmo o jato invisível. O clássico “giro de transformação”, considerado muito simples, recebeu um upgrade, sendo acompanhado por efeitos luminosos e estrondo, o que em parte foi sugestão da própria Lynda Carter.

 

Para fechar a trindade da DC Comics, Batman teve o que talvez seja a telessérie mais cultada até hoje. A hoje apelidada série Batman 66, foi ar pela ABC em 14 de março de 1968, ganhando 3 temporadas e 120 episódios. Adam West e Burt Ward encantavam crianças e adultos como Batman e Robin. Entre socos e chutes seguidos por onomatopéias (os famoso PUM! SOC! TAAAM!) a dupla dinâmica passava os episódios defendendo Gotham City dos vilões mais inusitados. Dentre os vilões clássicos podemos citar o Coringa de Cesar Romero (e seu infame bigode por baixo da maquiagem), o Pinguim de Burgess Meredith, o Charada de Frank Gorshin (substituído depois por John Astin) e a Mulher Gato de Julie Newmar (depois vivida por Eartha Kitt na temporada 3). Batman e Robin também enfrentaram vilões comoR ei Relógio, Chapeleiro Louco, Rei Tut e Chandell, dentre outros. O Bat tema é lembrado até hoje pelos fãs, bem como a famosa batdancinha!

A Filmation ainda produziu um seriado com outro herói da DC Comics, o Capitão Marvel. Transmitido pela CBS, a série foi ao ar em 7 de setembro de 1974, com 3 temporadas e 28 episódios, com Michael Gray como Billy Batson e Jackson Bostwick (substituído depois por John Davey) como Capitão Marvel. Na série, o adolescente Billy Batson com os imortais que lhe concedem os poderes (todos aparecem como personagens animados, ao invés de atores). E assim Salomão, (sabedoria); Hércules, (força); Atlas, (vigor); Zeus, (poder); Aquiles, (coragem); e Mercúrio, (velocidade) concedem seus dons para Billy Batson, tornando-o o mortal mais poderoso do mundo ao pronunciar a palavra SHAZAM e ser atingido por um raio (também animado), formada pelas iniciais do nome dos imortais. Billy, junto com guardião “Mentor” (interpretado por Les Tremayne), viajam por todo o país em um furgão. Sem nenhum vilão na série, e tão pouco violência, tanto o Billy como o Capitão Marvel ajudam pessoas metidas em situações por causa de coisas que elas não deveriam ter feito. No fim de cada episódio, Billy ou Marvel se dirigia ao públicocom uma lição de moral inspirada no episódio (e você jurando que quem inventou a quebra da quarta parede foi o Deadpool, né?). A série se tornou bastante popular e interagia com outra séria da Filmation, A Poderosa Ísis.

A Poderosa Ísis (The Secrets of Isis, no original) foi ao ar entre 1975 e 1976 e teve 22 episódios. Foi a primeiro série de tv americana estrelada por uma super-heroína. Andrea Thomas, interpretada por Joanna Cameron, era uma professora de ciências e arqueóloga amadora que encontra um amuleto que teria pertencido a uma rainha egípcia. De posse do amuleto, Andrea pronunciava as palavras “Poderosa Ísis” e se transformava em uma superheroína com incríveis poderes. Ah, sabe aquele crossover entre Arrow e Flash que você curte tanto, vendo um herói na série do outro? Pois é Ísis e Capitão Marvel já fazia isso nos anos 70. Ambos heróis apareceram em três episódios da série do outro.

A Marvel também teve seus dias de glória na tv. O Incrível Hulk começou a ser exibido pela CBS em 10 de março de 1978, perdurando por 5 temporadas divididas em 82 episódios. A série trazia o drama de David Bruce Banner, vivido por Bill Bixby a procura de uma cura para suas transformações no Golias Esmeralda. O legal dessa série é que o Hulk não feito por computador, mas interpretado pelo fisiculturista Lou Ferrigno, o que dava mais veracidade ao monstro verde. Quem poderia esquecer a transformação de Banner com as lentes verdes?
Na trama, o Dr. Banner, depois da morte da esposa, passa a procurar por uma força interior desconhecida, que supostamente todos os humanos tem, para usá-la como um meio de proteger outras pessoas. A radiação Gama acaba sendo o meio para libertar essa força que, para não ferir ninguém nos experimentos, ele testa em si mesmo. o pacto dr. Banner acaba descobrindo depois que, ao sentir raiva ou em momentos de estresse, ele se transforma involuntariamente no Hulk, uma fera verde, grande, muscolosa e descontrolada. Ele passa então a procurar uma cura para o que ele imaginava ser uma solução. A série teve ainda alguns telefilmes em que podemos ver o Thor e o Demolidor.

Para fechar a nossa lista, o queridinho do momento, o Homem-Aranha. Sim, ele já teve sua própria série!
The Amazing Spider-Man foi produzida e exibida nos Estados Unidos entre 1977 e 1979 pela CBS, com Nicholas Hammond como Peter Parker/Homem Aranha. A série teve duas temporadas e treze episódios. A série não é muito lembrada hoje em dia, mas era bacana ver o amigão da vizinhança balançando ou escalando paredes, apesar de não ter nenhum supervilão dos quadrinhos.
O Aranha teve ainda uma versão japonesa produzida pela Toei, com 41 episódios, exibidos Tokyo Channel 12 entre 17 de maio de 1978 e 14 de março de 1979. Na série, o ator Shinji Todoera Takuya Yamashiro, um jovem motoqueiro que vê um OVNI cair na Terra, uma nave chamada “Marveller”, vinda do planeta “Spider” (entendeu a referência?). O pai de Takuya, o Dr. Hiroshi Yamashiro, um arqueologista espacial, é morto enquanto investiga o caso, que também desperta a atenção do Professor Monster e do Iron Cross Army, um grupo de aliens que querem dominar o nosso planeta.

O Homem-Aranha da terra do Sol Nascente encontra Garia, o último guerreiro sobrevivente do planeta Spider, cujo planeta foi destruído por Professor Monster e pelo Iron Cross Army. Garia explica que ele estava caçando o Professor Monster e então injeta em Takuya um pouco seu próprio sangue, o que dá a ele poderes de aranha. Garia dá ao jovem um bracelete que ativa um traje aranha, dispara teias e controla a nave Marveller (que também pode se transformar em um robô de batalha gigante chamado “Leopardon”). Agora usando o nome de Homem-Aranha, Takuya, usa seus poderes para proteger a Terra de todas ameaças (Alguém mais lembrou do Lanterna Verde?).

Confira uma galeria com os nossos heróis em suas séries de tv!

E assim eram as tardes após a escola, com a cara colada na tv e colando figurinhas no álbum de desses heróis! Faltou alguma que você curtia e não está aqui? Conte para nós nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *