Nem gregos e nem romanos… hoje é dia do folclore brasileiro

folclore-mauricio

folclore-monicaHoje é dia do folclore brasileiro, um dos traços mais importantes da nossa cultura popular.  Assim como acontece com os contos dos irmãos Grimm, a origem das histórias envolvendo nosso folclore vem de tempos com raízes imemoráveis, quase que impossível saber a origem exata de cada uma delas!

Com um rico panteão de figuras lendárias e imaginárias, como o Boto cor-de rosa, o Boitatá, o Negrinho do pastoreio, Curupira, a Cuca, a Mãe d’água e o Caiporá, mas com certeza o mais difundido seja o Saci.  Aquele negrinho de uma perna só, peralta ao extremo e que leva as vítimas de suas travessuras à loucura.

Diz a lenda que o Saci nasce de um gomo de bambu, depois de sete anos de gestação, ele nasce para uma vida de 77 anos de travessuras. O Saci também é um exímio conhecedor das propriedades medicinais das ervas e raízes, além de um protetor da floresta. assim, aqueles que precisam de algo de seus domínios deve pedir permissão ao moleque mítico ou certamente cairá em uma de suas armadilhas. E como seria possível escapar dele? bom, se supõe que amarrar cordas e barbantes nas árvores pode funcionar distraindo-o durante a perseguição, já que ele iria desatar todos os nós.

Para capturar um Saci deve-se pegar o seu gorro e jogar uma peneira sobre o redemoinho, forma em que ele geralmente aparece para suas peraltices. Daí é preciso prender o moleque em uma garrafa. Os antigos contos dizem no fim da vida, o Saci se torna um cogumelo venenoso do tipo conhecido por orelha de pau, aquele em forma de orelha que nascem no tronco de árvores.

folclore-perere-ziraldosaci-picapauamareloA figura sempre teve um destaque em nossa cultura e  tem um destaque em quadrinhos nacionais, como Turma da Mônica, onde geralmente aparece nas histórias do Chico Bento e do Papacapim. Ziraldo criou a Turma do Pererê, onde o moleque travesso tem como amigos índios e animais da mata, e o Saci é um dos personagens do Sítio do Pica-Pau Amarelo, de Monteiro Lobato, atormentando a galera do sítio com suas diabruras.

Apesar de ser uma das figuras mais conhecidas do folclore brasileiro, outros são tão importantes quanto e, dependendo da região, até mais conhecidos. Assim como acontece com gregos, romanos e egípcios, nossas matas possuem seus protetores mitológicos, com histórias ricas e encantadoras. Essas lendas folclóricas são uma parte marcante da nossa identidade como povo e não devem ser esquecidas, e sim passadas a diante.

Nossas lendas podem ser inspiradoras e, como já sabemos que existe uma escola de bruxaria do universo Harry Potter, não seria louco ver esses personagens em umndo de basilíscos e elfos domésticos?

Vida longa ao folclore brasileiro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *